Testemunhos 1

Graça Alcançada!!!

Em janeiro de 2015, uma irmã carmelita, após ver o meu entusiasmo pela leitura do livro “Ao Sopro do Espírito”, do Frei Maria-Eugênio, e falado que ele estava em processo de beatificação, me perguntou se eu não queria vir buscar no Carmelo algum santinho e a oração dele. Fui buscar! Havia dois santinhos e duas relíquias.

Automaticamente, eu poderia pensar que era para mim e minha mãe, já que estamos as duas em casa. Porém, na hora pensei em alguém…, que é juiza e minha amiga. E nem sei porquê, em casa, trocando email com ela, comentei.

Então ela me pediu se podia dar a ela um santinho e uma relíquia, porque sua sobrinha estava muito mal na Alemanha, internada na UTI, juntamente com a nenê que acabava de nascer (prematura, com 5 meses apenas). Disse-me também que não havia perspectiva alguma de vida para a nenê.

Eu mandei para o Fórum o santinho e a relíquia e a partir disso, o quadro da mãe começou a evoluir. Embora a criança continuasse na UTI, o hospital ofereceu ao casal que residisse no hospital durante o período de recuperação.

E ela foi evoluindo. Passou por quatro cirurgias com anestesia geral, inclusive uma cirurgia para abrir os olhos. Ela foi evoluindo, evoluindo, ganhando peso e saiu do hospital!

Há poucos dias, viajou para o Brasil, juntamente com a mãe.

Esta graça alcançada pela intercessão do Frei Maria-Eugênio aconteceu também para chamar de volta para a Igreja os familiares dela. Os pais querem se casar. Eles que não pensavam em batizá-la, vão batizá-la. A bebezinha está com 11 meses.

 
MCC, 15 de novembro de 2015

 


 

VER A DEUS

O venerável Frei Maria-Eugênio do Menino Jesus (1894-1967), natural de Gua, no sul da França, carmelita descalço, entrou-me ao coração em dezembro do ano passado. Recebi, do Carmelo São José, seu livro: “Ao Sopro do Espírito – oração e ação” , Editora Paulus. Fundador do Instituto “Notre-Dame de Vie”, constituído por sacerdotes e leigos, que consagram a vida segundo os preceitos evangélicos e, no mundo, se fazem presença transformadora para modelá-lo, aperfeiçoá-lo e santificá-lo.

Ao lê-lo, falou-me à alma e, conforme ele escreve, a partir de reflexões de São João da Cruz: “Deus é a saúde da alma”. Aliás, seu pensamento está intimamente ligado aos Santos do Carmelo, além de São João da Cruz: Teresa D’Ávila e Teresinha do Menino Jesus.

Ao celebrar os 500 anos do nascimento de Santa Teresa D’Ávila, a Editora Vozes e o Instituto “Notre-Dame de Vie”, com a colaboração do Carmelo de Cotia e a coordenação do Padre Dr. Jean-Marie Laurier lançaram, em português do Brasil, neste mês, a obra-prima de Frei Maria- Eugênio: “Quero ver a Deus”. Excelente livro para quem busca se aprofundar no encontro com o Senhor.

Os anseios da alma não mudam, contudo a sociedade em que vivemos procura mascará-los ou emudecê-los através do consumismo, do barulho, do imediatismo, do culto ao prazer, dos vícios…  Frei Maria-Eugênio, em processo avançado de beatificação, responde sobre o sentido da existência à humanidade ferida pelo materialismo, à humanidade faminta de Deus, mesmo que não saiba traduzir o que grita por Socorro dentro dela.  E alerta que o Reino de Deus é um fermento, porém a maldade também. Vem em ajuda aos olhos desérticos, para oferecer as águas onde Deus paira. Frei Maria-Eugênio me fortalece na convicção de que a verdadeira caridade do apostolado não é somente social, mas sim a que une a Deus, que sobrenaturaliza, vendo no próximo um prolongamento do divino.  Tem me ajudado muito na oração do silêncio que leva ao contato com Deus vivo, com o Deus que reage e age.

Apresenta o Pai, Deus Amor, cujo movimento Moisés captou no braseiro. Deus fonte de luz, de misericórdia.  Cristo como “mata-borrão” que tira as nossas manchas. O homem como o ser querido pelo Criador. A fé que não consiste em sentir, mas sim em aderir a Deus.

A vivência do pensamento do Frei Maria-Eugênio é caminho para se contemplar o Céu.

 

Maria Cristina Castilho de Andrade

É professora e cronista

 


 

Frei Maria-Eugênio do Menino Jesus foi alguém que mar­­cou seus contemporâneos.

Eis alguns testemunhos sobre este homem de Deus:

 

“Quando estava com o Frei Maria-Eugênio  encontrava-me com alguém que levava Deus a sério, uma alma que tornou-se uma “sarça ardente “.

  Padre Vercoustre, op

 

“Querido Frei Maria-Eugênio,

Obrigado por sua presença em 1940: Tenente simples, silencioso, discreto, sorridente, radiante sem aura (…). 

Obrigado por ter estado no meu caminho de seminarista para encorajar-me, colocar-me em oração.”

Um padre

 

“Ele tinha um olhar para o mundo, católico, no sentido pleno do termo. 

Padre Albert, carmelita

 

“Eu tinha entre 11 e 13 anos. (…) Quando o seu olhar  encontrou o meu, fiquei impressionado pela luz e a força que dele irradiava. Eu pensava: Este homem! É preciso seguí-lo ou virar-lhe as costas. Eu descobri que a esta força, estava ligada uma doçura profunda, uma bondade que combinava com uma grande humildade. “

 MJ Branco

 

“A oração unificava a sua vida. “

Padre Valentino, carmelita em Roma com o Frei Maria-Eugênio

  

“O Frei Maria-Eugênio era  inteiramente dedicado a nós”

 Funcionário do Instituto Nossa Senhora da Vida